Technology is poorly used in Brazilian education

The potential of using digital technologies in education has been discussed for some years by experts from around the world. In this debate, the vision is strengthened that technology can contribute to learning when integrated with the curriculum and the pedagogical practice of teachers. Successful use experiences show, however, that there are still relevant and persistent challenges in Brazil, from the lack of infrastructure – the internet at a very low speed, obsolete and damaged equipment – to the lack of adequate training and support to educators, fundamental in this process.

Image result for educação digital

There are significant efforts already underway in the country to overcome these challenges. The first is the Innovation and Connected Education Program (Piec), launched by the Ministry of Education in 2017 and aims to stimulate the pedagogical use of technologies through teacher training, the provision of digital educational resources and high-speed internet for all Brazilian schools by the end of 2024. By 2018, the Program has benefited more than seven million students with actions in all Brazilian states. Also under way is an initiative led by BNDES, aligned with Piec. It is the Public Call Education Connected, which will benefit in its first phase 11 cities from six different states, totaling almost 200 thousand students attended.

Image result for educação digital

Brazil is now starting a new political cycle, in which priorities for education must be discussed. For this, it is important to reaffirm the role that technology can play in achieving the goals set by the National Education Plan (PNE) and the search for equity and quality in public education. We believe that it is fundamental to continue public policies that provide adequate infrastructure and educational technologies for teachers trained and motivated to generate new pedagogical practices, focused on learning. Within the plural, diverse and collective environment of the school, technology is able to add personalization to teaching, allowing these students to learn at their own pace and from their own interests. If it is conceived as a multidimensional and structuring public policy, it also allows access to quality educational resources in all regions of the country, helping teachers, parents and students themselves to increase learning opportunities, and is able to engage and motivate students , promoting their autonomy, collective responsibility and critical capacity when approaching the culture of the school to the digital culture prevalent in the society.

On the contrary, there are measures that diminish the relevance of teachers in the mediation of knowledge, with the false premise of “students learn alone”. We do not believe in the promotion of individualism in learning, neglecting the importance of reflection and collective discussion in the construction of knowledge, as we do not believe in offering only distance education in basic education, depriving students of the experience of socializing the school environment. There is no sense, therefore, in thinking about distance education in the early years of elementary school.

Image result for educação digital

As active participants in the public articulation and the implementation of experiences for the promotion of technology in education, we remain open and committed to contribute to the discussions around the theme and to work with all educational managers to make technology an important lever for the leap quality and equity that public education in Brazil needs urgently.

Lucia Dellagnelo is the president of the Innovation Center for Brazilian Education and Daniela Caldeirinha is the manager of Digital Educational Resources at the Lemann Foundation

Mobile labs, networks, collaborative intelligences, geolocation, game-based learning, open content. Did you find this list too futuristic for use in schools in Brazil, public and private? Maybe she is not so unreachable like that. The Firjan system brought together a group of 30 experts to analyze the state of technology use in practice in the country and made predictions about which tools will already be used in scale over a period of up to five years.

The study “Technological Perspectives for Brazilian Elementary and Secondary Education from 2012 to 2017: A Regional Analysis of the NMC Report”, released this week, identifies 12 emerging technologies that have the potential to impact education, in addition to the ten main trends and the ten challenges of Brazilian education.

Image result for educação digital

Among the 12 technologies presented, four were among the ones that should begin to become part of the classroom in less than a year: collaborative environments, game-based learning and mobile devices represented by cell phones and tablets; another four were among those that should begin to have their most frequent use in two or three years: networks, geolocation, mobile applications and open content; and four more could be expected over a period of four or five years: collective intelligence, mobile labs, personal learning environment, and semantic applications. (Some of these terms may not yet be clear, so Porvenir has prepared an explanatory infographic, see below).

Made for the first time in Brazil, the study inserts a regional chapter to the already traditional Horizon Report, which annually makes predictions about the use of technology in the educational universe. The global picture also allowed comparisons between the Brazilian and international context. Bruno Gomes, Educational Technology Adviser at the Firjan System and participant in both global and national research, highlights some of the points in which we distance ourselves a lot from the world. “In Brazil, we can already see the hardware, the physical things in the classroom, like the cell phone and the tablet. But the internet is missing, so everything that is done in the cloud or depends on a good and stable network comes later, “he says.

Image result for educação digital

So while in Ibero-American countries and global research cloud computing is a reality expected in a year, Brazilian experts have not even gambled on it for up to five years. “Another curiosity is that, free content, which is already happening in the world, will not happen in Brazil this year. The Brazilian is still attached to the authorship, “adds Gomes.

Image result for educação digital

Despite the differences, some points are common in all parts of the world, especially regarding the challenges encountered. “Teacher training is a problem for the world,” says Gomes. In the report released during the Conecta 2012 event, which ended today, experts also highlight another relevant coincidence between what they expect to see in Brazil and what is set in the world. “The 30 board members of this project agreed with the global board on the most important trend. They realized the doors opening in Brazil’s basic education schools for hybrid and collaborative learning models, “say the authors of the report.

CLASSROOM TECHNOLOGIES – SPECIALISTS INDICATE 12 TOOLS THAT WILL BE IN SCHOOLS UNTIL 2017

1 year or less – Device Polarization

Collaborative environments
Online spaces that aim to facilitate collaboration and group work. In this type of environment, the interaction happens regardless of where the students are

Game-based learning
Game interaction in educational experiences; the benefits have been proven in cognitive development, collaboration, problem solving and critical thinking

Cell phones
Especially when talking about smartphones, they are the convergence point of many technologies; allow access to a very large volume of information in the palm of your hand

Image result for educação digital

Tablets
Like mobile phones, they have the ease of mobility and make classes both in and out of school. Devices increase the range of pedagogical resources

2 to 3 years – Use of software

Networking
Broadband investment for major sporting events and the largest number of smartphones facilitate fast, cheap and easy access to all types of information

Geolocation
Recent tools allow you to determine the exact location of physical objects, in addition to combining with data about other events, objects, or people

Mobile Applications
New software development industry creates a universe of new educational possibilities, with real-time discovery sharing

Image result for educação digital

Open Content
Free web content provides access not only to information, but helps in the development of research, evaluation and interpretation skills.

4 to 5 years – Appropriation of software

Collective intelligence
Existing knowledge in societies or in large groups. As knowledge production is no longer a monopoly, several networks are created every day

Mobile Laboratories
The technology made it easy for heavy equipment, previously available only in good science labs to be inserted into simple cell phones

Personal learning environment
Formed by a personal collection of tools assembled to support your own learning; The list is organized independently and is focused on individual objectives.

Semantic applications
Applications that organize information from multiple sources and make associations between them, presenting the result in a way that is attractive to the user.

Brazil does not know how to harness the resources of technology for the improvement of education. This was the consensus of the “Educar para qué?” Debaters, at the event DNA Brasil – 50 Brazilians Stop to Think about the Vocation of the Country, held in Campos do Jordão, in the state of São Paulo, this weekend.

According to the former municipal secretary of Education of São Paulo, Fernando J. de Almeida, many schools use the computer and the Internet as a substitute for the teacher. It is also often the use of technology as mere rigging of students.

“Some schools teach their students the least amount of computing in order to face banks, offices, and automation services in the future. This generates exactly what one does not want, which is lack of thought and reflection. Whenever technology is used with this sense of facilitating, saving, education is impaired, “he says.

However, the school, institution or nongovernmental organization that has a good pedagogical, provocative, critical and dialogic project can enhance its quality of teaching with the computer and the technologies in general. Intelligently used computing is able to broaden the space of discussion, record mistakes, achievements, and even reveal the cognitive style of a school class.

“This side of technology is immensely welcome. It does not replace the teacher. Instead. It requires a better educator, an imbalance, a synthesizer, a utopian. The computer becomes an instrument with which one thinks, and not an instrument that thinks for somebody “, emphasizes Almeida.

In the opinion of the former secretary, technology will become increasingly part of educational training. The educator and writer Rubem Alves agrees and goes further. For him, in a few years’ time, there will be no more classroom in many schools. “Any place will be place to learn. There will be no time, because the student will not say “I’ll learn 45 minutes”. He’ll go online and stay all day if he wants to, “he bets.

A importância da tecnologia na educação

But despite the benefits that technology can bring to education, most of the debaters do not dispense with the traditional model of teaching. “The Internet, the computer and gadgets of the genre can help a lot. However, nothing replaces the image of the teacher, human presence, “emphasizes the physicist and educator Moyses Nussenzweig.

As tecnologias da informação e comunicação (TIC) já são uma parte insubstituível e fundamental do cotidiano das pessoas. Hoje eles estão presentes em praticamente tudo ao nosso redor, do nosso trabalho às nossas atividades diárias, e se tornou uma ferramenta que facilita e agiliza os processos empresariais, educacionais e sociais.

Resultado de imagem para tecnologia na educação

As possibilidades que as TICs nos dão são infinitas tcc, monografias, monografias prontas, dissertação de mestrado e tese de doutorado. Entre seus impactos positivos estão a melhoria dos processos educacionais e a facilitação das atividades recreativas dos alunos, conseguindo apoiar os processos de aprendizagem.

Muitos adultos atuais não crescem com essa tecnologia e, às vezes, achamos difícil usá-la de maneira eficaz, responsável e consciente. Nesse sentido, a educação desempenha um papel importante no bom uso dos crescentes avanços tecnológicos e, portanto, na importância de nossos filhos crescerem educados com bases firmes e responsáveis ​​em relação ao uso da tecnologia.

Resultado de imagem para tecnologia na educação

A especialista em ferramentas tecnológicas para a educação, Isabel Sagenmüller, garante que a incorporação de ferramentas tecnológicas na educação traga benefícios que promovam o conhecimento e a interação, além de eficiência e produtividade na sala de aula entre professores e nossos filhos.

Segundo sua análise, a educação pode se beneficiar da tecnologia nos seguintes aspectos:

Colaboração Eles podem incentivar os alunos a se expressarem e interagirem com outros colegas de classe em cursos presenciais ou virtuais, o que lhes permite aprender de forma interativa e sem depender de estar em um determinado local tcc, monografias, monografias prontas, dissertação de mestrado e tese de doutorado. Para um trabalho acadêmico, não é mais necessário que um grupo de estudantes se encontre pessoalmente para realizá-lo.

Otimização do tempo Professores e alunos podem reduzir o tempo em que realizam suas atividades, pois podem ser mais eficientes. No caso dos acadêmicos, eles podem dedicar mais tempo ao seu próprio treinamento.

Flexibilidade e adaptabilidade na aprendizagem tcc, monografias, monografias prontas, dissertação de mestrado e tese de doutorado. Os alunos mais avançados podem ter conteúdo adicional à sua disposição, e aqueles que precisam de reforço podem usar materiais de apoio.

Maior comunicação com os alunos. As tecnologias incentivaram a comunicação entre professores e alunos através de ambientes virtuais das disciplinas.

Redução de custos. O uso de novas tecnologias na educação permite a redução de custos, pois não é necessário material físico e tudo pode ser feito por meio de um programa ou aplicativo.

Resultado de imagem para tecnologia na educação

Imediação Alunos e professores podem pesquisar e fornecer informações de qualidade com rapidez e eficiência em tempo real.

Exploração As novas tecnologias permitem que os alunos satisfaçam seu interesse em áreas desconhecidas, proporcionando novos conhecimentos.

De acordo com Carolina Matamala Riquelme, mestre em metodologias de pesquisa em ciências sociais e doutora em sociologia e antropologia na Universidade Complutense de Madri, estudantes com alto capital cultural são aqueles que têm maior capacidade de adquirir novos conhecimentos e desenvolver suas habilidades ou aptidões, e Em suma, melhorar sua educação através do uso das TIC tcc, monografias, monografias prontas, dissertação de mestrado e tese de doutorado. No entanto, também pode haver alguns impactos negativos relacionados aos hábitos de uso das TIC que afetam os processos formais de aprendizagem, o que é particularmente evidente, por exemplo, quando os alunos consultam textos digitais confiando cegamente nos dois ou três primeiros sites lançados pelo mecanismo de pesquisa.

Em conclusão, as ferramentas tecnológicas podem promover a educação e aumentar o talento dos alunos se, como professores e pais, orientarmos o aprendizado deles. Daí a importância de todas as crianças e jovens terem acesso às TIC.

A educação e a aprendizagem devem se adaptar ao ritmo da tecnologia. Em um ambiente em que nossos filhos crescem juntos, é nosso dever garantir que eles o façam de maneira responsável e tcc, monografias, monografias prontas, dissertação de mestrado e tese de doutorado, acima de tudo, científica, ou seja, que apliquem a mesma lógica racional que se aplica à solução dos problemas de A vida real e conscientemente procura tirar o melhor proveito para melhorar seu ambiente.

No prédio infantil da escola pública de Santo Domingo, em Algete (Madri), existem dezenas de réplicas de Guernica presas às paredes. Cada um com suas próprias cores e alguns com um golpe duvidoso; cada um feito por um aluno. Até agora, nada muito diferente do que pode ser encontrado em qualquer escola da Comunidade de Madri. A diferença é que em Santo Domingo, quando um aluno pega seu tablet – todo mundo tem um – e o passa na frente de uma das pinturas, um código QR – uma espécie de código de barras – oculto ativa um vídeo em que o pequeno autor A imagem explica o que é Guernica e por que sua versão. A pintura literalmente começa a falar.

Tudo funciona assim em Santo Domingo: pirâmides de metacrilato dentro das quais os hologramas se materializam em torno dos quais os estudantes estão agrupados; Códigos QR colados nas primeiras páginas dos livros – cópias estão espalhadas com móveis nos corredores e não há necessidade de avisar que foram emprestadas – que eles ativam um resumo em vídeo desse volume ou vinculam a impressão que causou algum aluno de leitura; rolhas cheias de calendários, onde você pode ler: “Oficina de Robótica” ou “Impressão 3D”; estudantes que ensaiam trigonometria voando drones para aqueles que programaram pousar em um local específico tcc, monografias, monografias prontas, dissertação de mestrado e tese de doutorado. Por seis anos, a tecnologia transformou o ensino neste centro, o único espanhol em execução para obter o título de Escola Distinta no mundo concedido pela Apple.

Resultado de imagem para tecnologia na educação

“É um mito que os jovens, nascidos com a tecnologia, saibam usá-la.
Você precisa ensiná-los ”, afirma um especialista

“Aqui o professor é um guia”, diz Óscar Martín, diretor do centro. “O importante é capacitar os alunos. Deixe-os formar seus próprios mapas mentais de entendimento. ” Para fazer isso, uma das melhores maneiras “é que os alunos expliquem aos outros, em suas próprias palavras, o que aprenderam”, diz ele. Algo para o qual as novas tecnologias são indispensáveis, como os códigos QR mencionados acima, o jornal digital que possui o centro ou seus oito canais de televisão, apresentados pelos alunos. “No começo é impressionante, mas no final a capacidade tecnológica se torna invisível: o que é transformado é a maneira de trabalhar em si”. Uma maneira aberta e interativa, até colaborativa. “Preciso de ajuda com o latim”, diz um post-it rosa (há dezenas) preso ao lado de um corredor no prédio da escola. “Eu ajudo com a matemática da 1ª e 2ª, e com a física da 2ª”, diz, a título de resposta, na parede oposta, onde em outros cem post-its outros alunos oferecem ajuda.

A integração tecnológica em Santo Domingo compensa não apenas na sala de aula – eles superam em muito os testes de nível do ministério – mas também no social: o projeto começou em 2012, quando o diretor Martín se juntou e introduziu essa nova metodologia . Com 76 alunos, a escola estava prestes a fechar. Hoje tem cerca de 600 e é uma referência. No dia em que visitamos o centro, uma mãe chora em um escritório: ela acabou de saber que sua filha não terá lugar para o próximo ano. Não é uma imagem incomum: anualmente, eles recebem cerca de 300 inscrições para 45 lugares.

“A maior mudança? Bem, agora tenho muito menos peso na minha mochila ”, diz Álvaro Abollado -“ como um carro amassado ”, ele responde quando perguntado sobre seu sobrenome -, um jovem que termina o 3º do ESO e chegou novamente no ano passado a partir do Escola Las Tablas. O menino está encantado com o novo centro, com a interação e com os deveres “, que são sempre projetos”. Entre risadas e um empurrão cúmplice de seus amigos, ele reconhece que a diferença “tem sido enorme”. O Algete College é a ponta de lança de uma mudança educacional imparável que integrará a tecnologia ao ensino, até agora limitado ao centro de estudos.

Resultado de imagem para tecnologia na educação

“Você não pode falar sobre novas tecnologias porque elas não são mais novas. A educação do século XXI sem tecnologia é impensável ”, diz Mar Camacho, médico e especialista em tecnologia educacional, recentemente nomeado diretor geral de crianças e educação primária na Catalunha. “A Unesco, União Européia, defende a aquisição de habilidades para o século XXI, e uma delas é digital tcc, monografias, monografias prontas, dissertação de mestrado e tese de doutorado. Nas escolas, temos a obrigação de ensiná-los para o futuro profissional e pessoal dos alunos ”, diz ele. Ele alerta que “é um falso mito que os jovens, nascendo com a tecnologia, sejam competentes em seu uso. Você tem que ensiná-los. Camacho dirige um estudo da Samsung Smart School que mede o impacto educacional da introdução de tablets – que também fabrica a marca que promove pesquisas – sobre o desempenho acadêmico há quatro anos. Ele mediu cerca de 4.000 alunos e 600 professores em 108 salas de aula da 5ª e 6ª. As conclusões do trabalho, que serão publicadas este mês, mostram que os tablets melhoram o desempenho dos alunos em competência linguística digital e aprendem a aprender, os três tipificados pela Unesco como competências essenciais para este século. O estudo não foi realizado em centros privados ou concertados, mas em centros menos favorecidos ou periféricos. “O que também demonstra como a tecnologia ajuda a colmatar o fosso digital”, diz ele.

A Espanha está entre os cinco países europeus com maior desenvolvimento de salas de aula de TIC (tecnologias de informação e comunicação, onde os alunos usam dispositivos móveis para aprender). No relatório Programação, robótica e pensamento computacional em sala de aula, do Ministério da Educação, publicado em janeiro, observa-se que, em média, existe um computador para cada três alunos nas escolas primárias e secundárias. Em relação ao professor, 90% possuem um computador com conexão à Internet e 74% possuem uma placa digital. “O campo educacional deve ser permeável a mudanças para não acabar sendo um universo paralelo desconectado do mundo real”, diz Anna Carballo, psicóloga e médica em neurociência especializada em aprendizado. Mas essa abertura tecnológica tem efeitos colaterais?

“Não acredito que novas tecnologias devam ser temidas ou demonizadas. Sim, devemos nos preocupar com o uso deles e ver se sua introdução na sala de aula persegue objetivos pedagógicos ou se eles são usados ​​apenas para substituir o livro e fazer exatamente o mesmo que foi feito com ele, mas através de uma tela divertida ou atraente ”, diz Carballo. “A tecnologia vende, é sexy, e devemos garantir que seu uso no ambiente escolar não responda apenas a um interesse comercial”. Existem mais riscos: “O uso de dispositivos afeta os meios atencionais porque facilita os processos de multitarefa nos quais o sujeito acredita que pode ser mais eficaz, quando realmente a execução e o desempenho são piores, uma vez que a capacidade atencional alternar constantemente entre as diferentes tarefas tcc, monografias, monografias prontas, dissertação de mestrado e tese de doutorado. Também sabemos que o simples fato de ter o telefone celular por perto gera distrações, pois, de uma maneira mais ou menos consciente, sabemos se recebemos uma mensagem. Isso, se falarmos sobre processos de aprendizagem e memória em campos acadêmicos, como raciocínio, elaboração de idéias, entendimento ou resolução de problemas, que requerem atenção e esforços sustentados, claramente jogam contra ”.

Resultado de imagem para tecnologia na educação

“O uso de dispositivos facilita a multitarefa, e o desempenho e o desempenho são piores”, alerta um médico em neurociência

“Outro dos perigos envolvidos no uso de dispositivos móveis é o seu possível efeito viciante”, acrescenta Carballo. Nosso cérebro possui um circuito que codifica prazer e recompensa: evolutivamente falando, esse circuito é projetado para responder aos reforçadores primários que permitem nossa sobrevivência, como comida, bebida, interação social … “Mas é um circuito que também responde a reforços secundários ou artificiais, como drogas ou telas, que, atuando no circuito do prazer e modificando-o, podem acabar levando a problemas de dependência. ” Carballo adverte que atualmente estamos começando a ter os primeiros estudos de neuroimagem de adolescentes viciados em Internet. “Há uma série de alterações neurológicas que podem acompanhar distúrbios comportamentais e agressivos que claramente vão atrapalhar o desenvolvimento ideal e a capacidade de adaptação dessas crianças”. Esses efeitos negativos correlacionam claramente a idade de início da exposição às telas – é recomendável nunca começar antes de dois ou três anos – e o número de horas de exposição.

“O importante é regular o uso de telas do mundo adulto. Para evitar possíveis problemas de dependência, mas também para o restante de experiências e experiências que são perdidas quando estão na frente de uma tela ”, Carballo fecha. “Estou otimista tcc, monografias, monografias prontas, dissertação de mestrado e tese de doutorado, mas é claro que o corpo docente precisa de qualidade e treinamento e aconselhamento contínuos para fazer bom uso dessas tecnologias no design de suas práticas em sala de aula”.

De volta a Santo Domingo, no último dia antes das férias de verão, uma turma cheia de garotos assiste à apresentação do projeto de final de curso de alunos do ensino fundamental. Um aluno da 6ª série fala sobre o katakunyandigea, uma civilização inventada pelos próprios alunos. “Eles usaram madeira coberta de cera para impermeabilizá-la”, diz a tela projetada no quadro. “Eles comiam três vezes ao dia, em momentos marcados pela religião”, acrescenta a garota. Este trabalho é o resultado da união de todas as disciplinas: da redação dos textos à impressão 3D de utensílios.

“O mais interessante desse modelo educacional é a facilidade com que os alunos encontram sua vocação”, diz María Luisa Porto, professora de tecnologia da próxima sala de aula, que comenta como um grupo de alunos mais velhos se oferece para ajudar Alunos do ensino fundamental que têm mais problemas com a programação básica. “Esse grupo está claro que será dedicado à ciência da computação ou engenharia. Eles encontraram sua paixão. ” Porto também aponta as mudanças no trabalho do professor: “O ambiente aqui é transversal, entre cursos e entre disciplinas. Isso também se espalha para os professores, criando um ambiente de trabalho mais cooperativo. ” Mudanças na educação básica que se refletem apenas nos professores, que também devem fazer seus próprios cursos. “Desde o treinamento para o uso da impressora 3D”, explica Porto, tocando na impressora central – até a programação em código rápido “.

Resultado de imagem para tecnologia na educação

Javier Arroyo é co-fundador do Smartick, um aplicativo criado na Espanha em 2011 que desenvolve um currículo para cada criança por meio de inteligência artificial. Basta usá-lo 15 minutos por dia. “É realizado um teste que identifica o nível de cada aluno e o plano é adaptado em tempo real. A falta do aluno é encontrada e, ao fazer um exercício, são identificados entre 20 e 50 aspectos em cada resposta: velocidade, resultado … Essa medida é o que gera o seguinte exercício que aparece ao usuário. É assim que ele se ajusta ao seu nível ”, resume Arroyo. O método deu bons resultados aos seus fundadores: Arroyo responde após desembarcar dos Estados Unidos, onde passou dois meses em turnê depois de ser nomeado companheiro de Eisenhower – uma distinção que a Fundação Eisenhower concede a entre 20 e 25 líderes inovadores comprometidos em criar um mundo mais pacífico – por seu trabalho na Smartick. Uma visita aleatória ao site do aplicativo relata: “Nas últimas 24 horas, 5.846 estudantes de 85 países resolveram 344.567 exercícios”.

Livros que se tornam ipads, programas que se infiltram na lista de assuntos e matemática aprendidos através de aplicativos tcc, monografias, monografias prontas, dissertação de mestrado e tese de doutorado. “A escola não deve apenas garantir que as crianças estejam preparadas para o amanhã”, diz o neurocientista Carballo. “Mas também devo oferecer a você as ferramentas para tornar o mundo um lugar melhor, mais justo, mais tolerante e mais sustentável. E as novas tecnologias podem contribuir poderosamente para isso. Eles abrem a porta para o mundo.